Novo acordo ortográfico: o que mudou?

letras

Desde o dia 1º de janeiro de 2016, é obrigatório no Brasil o uso do novo acordo ortográfico da língua portuguesa. Assinado em 1990 com outros Estados-Membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) para padronizar as regras ortográficas, o acordo foi ratificado pelo Brasil em 2008 e implementado sem obrigatoriedade em 2009.

A previsão inicial era que as regras fossem cobradas oficialmente a partir de 1° de janeiro de 2013, mas, após polêmicas e críticas da sociedade, o governo adiou a entrada em vigor para esse ano. Veja quais foram as mudanças.

Alfabeto

Houve a ampliação do alfabeto oficial para 26 letras, com o acréscimo das letras k, w e y.

Trema

Não se usa mais o trema em palavras do português. Ele só permanece em nomes próprios e seus derivados, de origem estrangeira.

Acento circunflexo

O acento circunflexo foi retirado de palavras terminadas em “êem”, como nas formas verbais leem, creem, veem e em substantivos como enjoo e voo.

Acento agudo

O acento agudo foi eliminado nos ditongos abertos “ei” e “oi” (antes “éi” e “ói”), dando nova grafia a palavras como colmeia e  jiboia.

Acento quanto à posição da sílaba tônica

Só não são acentuadas oxítonas terminadas em “I” ou “U”, a não ser que seja um caso de hiato. Por exemplo: as palavras “baú”, “aí”, “Esaú” e “atraí-lo” são acentuadas porque as vogais “i” e “u” estão tônicas nestas palavras.

Hífen

O hífen deixou de ser usado em dois casos: quando a segunda parte da palavra começar com s ou r (contra-regra passou a ser contrarregra), com exceção de quando o prefixo terminar em r (super-resistente), e quando a primeira parte da palavra termina com vogal e a segunda parte começa com vogal (auto-estrada passou a ser autoestrada).

*Com informações da Agência Brasil.

Notícias relacionadas